As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Noite

Vasco de Lima Couto / Maximiano de Sousa
Repertório de Max

Sou da noite um filho noite / Trago ruas nos meus dedos
De guardarem os segredos / Nas altas pontes do amor
E canto porque é preciso / Raiar a dor que me impele
E gravar na minha pele / As fontes da minha dor

Noite... 

Companheira dos meus gritos
Rio de sonhos aflitos
Das aves que abandonei
Noite... 
Céu dos meus casos perdidos
Vêm de longe os sentidos
Nas canções que eu entreguei

Oh minha mãe de arvoredos / Que penteias a saudade
Com que vi a humanidade / A minha voz soluçar
Dei-te um corpo de segredos / Onde arrisquei minha mágoa
E onde bebi essa água / Que se prendia no ar
- - -
- -
-
Versão Beatriz da Conceição 
- - -
Sou da noite um filho noite / Trago ruas nos meus dedos
De contarem os segredos / Aos altos campos do amor
E canto porque é preciso / Raiar a dor que me impele
E gravar na minha pele / As fontes da minha dor

Noite... 
Companheira dos meus gritos
Rio de sonhos aflitos
Das aves que abandonei
Noite... 
Céu dos meus casos perdidos
Vêm de longe os sentidos
Das canções que eu entreguei

Oh minha mãe de arvoredo / Que penteias a saudade
Com que eu vi a humanidade / A minha voz soluçar
Dei-te um corpo de segredo / Onde arrisquei minha mágoa
E onde bebi essa água / Que se prendia no ar