As 5.150 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Algo estranho acontece

Letra e musica de Pedro da Silva Martins
Repertório de António Zambujo

O nosso amor chega sempre ao fim
Tu velhinha com teu ar ruím
E eu velhinho a sair porta fora
Mas de manhã algo estranho acontece
Tu gaiata vens da catequese
E eu gaiato a correr da escola;
Mesmo evitando tudo se repete
O encontrão, a queda e a dor no pé
Que o teu sorriso sempre me consola

No nosso amor tudo continua
O primeiro beijo e a luz da lua
O casamento e o sol de Janeiro
Vem a Joana, a Clara e o Martin
Surge a Pituxa, a Laica e o Boby
E uma ruga a espreitar ao espelho;
Com a artrite, a hérnia e a muleta
Tu confundes o nome da neta
E eu não sei onde puz o dinheiro

O nosso amor chega sempre aqui
Ao instante de eu olhar p’ra ti
Com ar de cordeirinho penitente
Mas nem te lembras bem o que é que eu fiz
E eu com isto também me esqueci
Mas contigo sinto-me contente;
Penduro o sobretudo no cabide
Visto o pijama e junto-me a ti
De sorriso meigo e atrevidamente;
Ao teu pé frio encosto o meu, quentinho
E adormecendo lá digo baixinho
Eu vivia tudo novamente