As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


O artista não come à lista

António Tavares Teles / Tozé Brito
Repertório de Rodrigo

Lisboa é aquela cidade fadista que tem um castelo
Mas o fado é triste e hoje o artista que não come à lista
Já no seu castelo põe um cotovelo

Lisboa é aquela cidade bem-quista que tem um São Bento
Mas o bem é pouco e hoje o artista que não come à lista
Já no seu São Bento tem mui pouco assento

Lisboa é aquela cidade turista que tem cacilheiro
Mas o passeio é caro e hoje o artista que não come à lista
Só no cacilheiro gasta o seu dinheiro

Lisboa é aquela cidade bairrista, mas tem um país
E o país existe e hoje o artista que não come à lista
Já no seu país não mete o nariz

Lisboa é aquela cidade artista que grita dali
E o grito existe e hoje o artista que não come à lista
Escuta esse grito e diz: estou aqui

Lisboa é aquela cidade arrivista, dizem-me vocês
Onde arriba tudo menos o artista que não come à lista
Que não come à lista e é português

Que no seu castelo põe um cotovelo
Que no seu São Bento tem mui pouco assento
Que no cacilheiro gasta o seu dinheiro
Que no seu país não mete o nariz
Que grita dali e diz: estou aqui
Que não come à lista, dizem-me vocês
Que é o artista e é português